Olhando à frente de 2024

Stephen Coertze, Diretor Executivo da Aliança Global Wycliffe

Fevereiro de 2024

Caros amigos,

Saudações calorosas diretamente de Joanesburgo! Conforme o ano de 2024 se desenrola, ficamos maravilhados com a obra de Deus em nosso mundo em rápida mudança. E aguardamos com expectativa uma série de reuniões e conversas destinadas a unir-nos como uma só Aliança. Permitam-me aproveitar esta oportunidade para mencionar algumas coisas da nossa agenda coletiva para este ano.

Pacto 3

Em março, o Conselho de Administração da Aliança analisará uma nova versão do nosso Pacto/Declaração de Compromisso. Eles encaminharão o documento para as organizações da Aliança para sua contribuição e, em seguida, concluirão o processo a tempo para o Encontro Global em outubro – novembro. Depois, no início de 2025, iniciaremos o processo de assinatura/nova assinatura com as organizações da Aliança.

As organizações da Aliança assinam este Pacto/Declaração de Compromisso entre si em reconhecimento da sua participação na comunidade da Aliança e na missão de Deus. Periodicamente, o documento é atualizado e ocorre um novo processo de assinatura. Esta será a terceira versão; as pequenas alterações recomendadas no pacto atual são principalmente estilísticas, com uma mudança de palavra ou frase aqui e ali.

A igreja na tradução da Bíblia

Tivemos várias conversas nos últimos anos sobre a compreensão e o relacionamento da Aliança com a igreja mundial. A Aliança tem vários documentos essenciais e fundamentais com relação à igreja — incluindo uma declaração que reconhece que ela é o principal instrumento de Deus para a missão. Nossa declaração de Filosofia dos Programas de Tradução da Bíblia menciona a igreja de forma destacada. Acreditamos, porém, que também precisamos de uma declaração completa e separada sobre a igreja. Isto irá reconhecer o papel dela na tradução da Bíblia e o apelo para que a Aliança se aproxime dela e participe em conjunto. A Equipe de Liderança da Aliança apresentou um projeto de declaração ao Conselho, que será divulgado após a reunião do Conselho em março. Partilharemos a declaração com toda a Aliança e daremos seguimento aos planos.

Antecipamos que isso resultará em um diálogo global em 2024, incluindo organizações da Aliança que são denominações religiosas, bem como outras igrejas que não são necessariamente afiliadas às organizações da Aliança. Historicamente, o movimento de tradução da Bíblia reduziu a participação da igreja à oração, ao envio de pessoas e ao envio de dinheiro. Mas há mais maneiras pelas quais a igreja deseja participar? Onde e como isso já está acontecendo?

A nossa prioridade será reunir-nos com líderes religiosos de todo o mundo e delinear a discussão, para que não sigamos simplesmente com a nossa agenda. Essa reunião levará a uma conversa mais ampla e a uma análise posterior do que discutimos e aprendemos juntos.

Trataremos mais sobre isso em breve.

Encontro Global

Este ano culminará com o nosso Encontro Global, planeado para 31 de outubro a 4 de novembro, em Joanesburgo. Este será o primeiro Encontro Global presencial desde 2016, já que o encontro de 2020 foi cancelado por causa da pandemia.

A reunião deste ano sinaliza uma nova era na tradução da Bíblia; será a primeira realizada exclusivamente como um evento da Aliança, em vez de um evento conjunto com a SIL. Nosso tema é Crescer Juntos, e quatro expressões desse tema serão integradas no programa: Comunidade, Explorar e Discernir Juntos, Adorar e Celebrar. 

Esperamos sair com uma noção clara de onde estamos, juntos como Aliança, e da jornada que temos pela frente à medida que avançamos para 2025 e mais além.

Poder na missão

A partir do final deste ano, a Aliança irá preparar-se para discussões globais sobre o poder na missão e, especificamente, na tradução da Bíblia.

Queremos examinar sistemas de poder e controle, analisando a tomada de decisões em um contexto que é transferido para outros contextos. As atuais estruturas missionárias e mesmo a teologia missionária ainda se baseiam em grande parte na cristandade como força histórica e cultural dominante. Ao usar o termo "cristandade", refiro-me aos países ocidentais, impérios e estruturas de poder onde o cristianismo tem sido a religião dominante. A missão foi construída com base na ideia de ir do Ocidente para o resto.

A realidade mudou rapidamente: a missão agora abrange todos os lugares e é direcionada a todos os lugares. Mas muitas das nossas estruturas e sistemas ainda são construídos e orientados a partir do paradigma da cristandade. Precisamos questionar tal metodologia. O que está diferente? Essas estruturas tradicionais ainda servem a um propósito? Ou precisamos compreender e implementar estruturas que sejam mais relevantes para a forma como entendemos a missão hoje?

O poder na missão pode ser visto de várias maneiras significativas. Que incluem:

Recursos. Estou considerando não apenas a capacidade das organizações de prover recursos financeiros, mas também a sua habilidade de angariar fundos. Algumas organizações possuem uma abordagem mais persuasiva na busca de financiamento, conferindo-lhes uma vantagem sobre aquelas que não possuem a mesma habilidade ou treinamento.

Estruturas. Algumas organizações foram tão bem estruturadas que dominaram outros contextos — que depois se tornaram dependentes delas. Esta pode nem sempre ser a melhor abordagem para participar com Deus na Sua missão. Podemos obter os resultados mais convenientes, mas isso não significa que o nosso processo honre a Deus.

Informação. Os pesquisadores reconhecem que aqueles que controlam as estatísticas têm a vantagem no jogo. Isto levanta questões sobre as nossas próprias estatísticas sobre o estado da tradução da Bíblia, tanto a nível global como local. As organizações utilizam essas estatísticas para decidir onde irão influenciar e onde podem participar. Não há nada de errado com isso, mas sabemos que o quadro está incompleto. Comunidades que precisam desesperadamente de ajuda podem não recebê-la porque as estatísticas não as enfatizam.

Durante séculos, os símbolos do cristianismo e da cristandade — quer os reconheçamos ou não — têm sido uma coroa, um trono e um cetro. Símbolos do poder terreno. Mas os verdadeiros símbolos do cristianismo são muito diferentes: uma coroa de espinhos. A cruz. O túmulo vazio, implicando morte e ressurreição. Uma semente que primeiro tem que morrer na terra para poder crescer. Um vaso quebrado — o cálice e o pão da santa ceia.

Como esses símbolos nos representam como Aliança? Penso que esta conversa nos ajudará a revisitar algumas das nossas reflexões anteriores, como as relativas à comunidade ou ao financiamento, que fazem parte do nosso sistema de valores. Será uma oportunidade para avaliarmos juntos como estamos nos saindo como Aliança. Ao encerrarmos este ano, após o Encontro Global, proporcionaremos uma maior organização e reflexão a essa discussão para o ano de 2025 e para o futuro.

Enquanto isso, deixe-me recomendar The Mission Matrix, de Kirk Franklin e Paul Bendor-Samuel com Deborah Crough. Este novo livro escrito por três veteranos da Aliança ajuda-nos a compreender a nossa jornada à medida que passamos do modelo de missão da cristandade para um contexto missionário novo e em evolução.

Publicações

Falando em publicações relacionadas com a Aliança, permitam-me mencionar mais duas. Um deles é o livro recém-publicado, The Journey Concept, de Susan Van Wynen, nossa Consultora de Estratégia. Com a contribuição de mais de 50 líderes religiosos e missionários em 36 nações, o livro incentiva os movimentos religiosos e missionários a irem além dos modelos estratégicos fundados no pensamento militar, na era industrial e no pensamento competitivo. O livro "The Journey Concept" procura ajudar qualquer pessoa que participe na missão de Deus a navegar pelas mudanças contínuas e pelos múltiplos contextos e culturas com graça e discernimento, ao mesmo tempo que permanece firmemente enraizado e cresce em Deus e na Sua Palavra.

E então pedi a Kirk Franklin, meu antecessor como Diretor Executivo da Aliança, que trabalhasse em uma publicação adicional para nós. Ela irá centrar-se na nossa compreensão da colaboração — lições que aprendemos dentro da Aliança e como vemos o conceito desenvolver-se ainda mais.

Visão 2025

Uma equipe conjunta da SIL e da Aliança está planejando um evento para maio de 2025 para celebrar a Visão 2025. Teremos mais informações sobre isso em breve, e diversas publicações da Aliança ao longo deste ano discutirão o impacto e as implicações da Visão 2025. Primeiramente, destaco o The Journey Podcast, que inclui uma entrevista em duas partes com John Watters. Em 1999, John Watters foi o primeiro a sugerir à Visão 2025 que a tradução da Bíblia pudesse ser iniciada na próxima geração para cada comunidade linguística que dela necessitasse. É uma conversa fascinante. Especialmente para as nossas organizações, para as quais a Visão 2025 é menos familiar, esta é uma boa introdução.

Nas áreas da Aliança

Estão ocorrendo uma série de atividades e discussões nas quatro áreas da Aliança.

Na área das Américas, as mesas redondas nacionais de tradução da Bíblia continuam a se multiplicar — adicionamos quatro novas no ano passado. Agora, para 2024, aguardamos com expectativa essas mesas redondas que unirão as fronteiras nacionais para discussões inter-regionais nas Américas.

A área da Europa está estudando maneiras de auxiliar a Igreja em diferentes contextos emergentes, como a diáspora e sua relação com a tradução da Bíblia, a tradução em línguas ciganas e a tradução em línguas de sinais para surdos.

As organizações da área de África compreenderam muito bem as discussões sobre as influências nas diferentes organizações da Aliança no que se refere à tradução da Bíblia e às influências externas e internas nas organizações. Eles continuarão a explorar esses tópicos ao refletirem sobre seu próprio envolvimento na tradução da Bíblia.

A área Ásia-Pacífico planeja uma conferência de área em maio. Será a primeira oportunidade para Nicky Chong, o nosso novo diretor de área, reunir-se com todas as organizações da Aliança Ásia-Pacífico numa mesma sala. Esta conferência ajudará a definir a direção para uma maior colaboração na região e a nível mundial. Eu participarei também.

  • • •

Esta, portanto, é uma breve visão geral do próximo ano para a Aliança. Claro, tudo e qualquer coisa pode mudar da noite para o dia. Aprendemos isso há quatro anos, quando uma pandemia global mudou radicalmente o nosso rumo. Aconteça o que acontecer, crescemos na certeza de que Deus permanece firmemente no controle e que Ele escolhe envolver todos nós na construção do Seu reino - muitas vezes de maneiras novas e surpreendentes. Que todos nós possamos amadurecer na semelhança de Jesus ao longo desta jornada coletiva.

Uma conversa sobre consultoria de tradução da Bíblia em linguagem de sinais

Stuart Thiessen é um consultor de tradução de língua de sinais da DOOR International. Ele também é surdo. Nós o entrevistamos em um diálogo escrito sobre consultoria de tradução em linguagem de sinais nos movimentos globais de tradução da Bíblia.

Leia mais

Informar, ensinar e inspirar: Workshop da Papua Nova Guiné ensina narração de histórias em vídeo para comunidades linguísticas

Workshop da Papua Nova Guiné ensina narração de histórias em vídeo para comunidades linguísticas

Leia mais

Contando a história da Bíblia

É surpreendente que um museu faça parte das organizações da Aliança Global Wycliffe. Mas os líderes do Museu Maná partilham a paixão por inspirar as pessoas a explorar a Bíblia, a sua história e teologia.

Leia mais