Uma conversa com Rob Myers da DOOR International

Rob Myers, presidente da DOOR International, fala sobre a situação da tradução da Bíblia na linguagem de sinais durante o COVID-19 e outros assuntos.

Aqui está nossa conversa.

Rob Myers, presidente da DOOR International

Você poderia dar um breve resumo sobre o que a DOOR faz, especialmente em relação à tradução da Bíblia?

Nossa organização começou oficialmente em 1999, e nosso foco era capacitar líderes indígenas surdos no evangelismo e plantação de igrejas. Nos cinco anos seguintes, treinamos cerca de 350 líderes surdos de cerca de 50 países diferentes, usando um método de narrativa bíblica cronológica. É consistente com a narrativa oral e algumas das abordagens atuais que existem.

Recebemos então um recurso para fazer um acompanhamento, para ver como esses líderes estavam se saindo no campo. Eles participariam do treinamento por um ano, e então voltariam e começariam a plantar congregações nas comunidades de igrejas surdas e iriam evangelizar. Percebemos que onde quer que a pessoa que foi treinada fosse, ela tinha uma congregação próspera ao seu redor. Mas isso não se multiplicava. Analisamos com mais atenção e percebemos que o principal motivo era que essas comunidades não tinham as Escrituras em sua língua materna. Nós treinamos esses líderes em narrativa, e então, ao longo do ano eles memorizavam essas histórias, mas então ao voltarem para essas comunidades, eles eram, em certo sentido, a Bíblia para essas pessoas. Então tivemos esse problema como no telefone sem fio, onde eles tentavam passar as informações para outras pessoas, mas estavam longe da fonte de informação. Em certo ponto, eles não tinham nada para fazer referência, de verdade.

Aprofundar-se na tradução da Bíblia para comunidades surdas é um desafio muito maior do que para comunidades auditiva, certo?

Quando falamos sobre as Escrituras na linguagem de sinais e por que ela é necessária, uma das grandes dificuldades que as pessoas costumam enfrentar, são as suposições que as pessoas que ouvem têm. Pessoas surdas podem ver, portanto, acredita-se que elas podem ler bem. Portanto, por que não lhes damos apenas as Escrituras escritas? Se eles têm dificuldade com um idioma, simplifique-o. inglês simples, espanhol simples ou algo parecido.

Como você ajuda as pessoas a entender que a Escritura escrita não é a solução para a maioria das pessoas surdas?

Por meio de minhas interações com pessoas surdas, percebi o quanto a linguagem escrita é baseada em sons. As pessoas aprenderem um idioma ouvindo-o e, em seguida, copiando e falando. É assim que nos tornamos fluentes na língua falada. Então vamos para a escola e aprendemos a forma fonética de emitir letras conectadas a uma língua que já conhecemos. Mas para pessoas surdas que perderam todas essas informações (90 por cento das pessoas surdas crescem sem serem capazes de se comunicar com seus pais) vão para a escola e tentam soar essas letras e isso não está conectado a um idioma elas conhecem.

Os surdos podem aprender a ler, e conheço muitos surdos que são fluentes na leitura em inglês. Mas não é sua primeira língua. É por isso que os surdos precisam das Escrituras na linguagem do coração. Muitos, muitos surdos em todo o mundo lutam com a linguagem escrita.

Como a DOOR respondeu a esse desafio?

Fizemos parceria em 2006 e 2007 com a Wycliffe e com a SIL, e recebemos algum treinamento deles em tradução da Bíblia. Eles contrataram nossos três primeiros consultores de tradução na linguagem de sinais. A partir desse ponto, começamos com duas traduções, e isso floresceu de uma forma em que estivemos envolvidos em cerca de 20 projetos de tradução diferentes. Atualmente, estamos ativamente envolvidos em 10 deles.

Trabalho do ministério de linguagem de sinais em Gana.

Como o processo começa?

Trabalhamos principalmente com comunidades surdas que começam com quase nenhuma presença cristã (o que é verdade para a grande maioria das comunidades surdas). Começamos trazendo missionários surdos de outro país, talvez de um país próximo. Eles começam a fazer evangelismo e o trabalho de plantação de igrejas, de modo que haja uma grande população de líderes cristãos, que então, podem ser recrutados para começar a fazer o trabalho de tradução. (Os missionários) farão algum trabalho de tradução e trabalharão com essa equipe por cerca de dois períodos do projeto, ou cerca de seis anos. Damos para eles algumas Escrituras iniciais, colocamos em funcionamento e depois tentamos ver se podemos transferir essa conexão. Ou eles formam sua própria associação cristã local, ou se conectam à sua Sociedade Bíblica nacional, ou a uma denominação particular (algo mais local para que o trabalho possa ser sustentado). E então direcionamos esses recursos (consultores e outros), para outros projetos.

Portanto, muito do nosso foco é realmente o acesso inicial às Escrituras, o treinamento inicial de algumas dessas equipes.

Estamos atrasados, como movimento, para reconhecer que a comunidade surda é basicamente a última fronteira na tradução da Bíblia, certo?

Certo. Existem cerca de 350 línguas de sinais, um pouco mais do que isso em todo o mundo. Ainda há uma falta de clareza quando se trata de quantas dessas línguas precisam do acesso à Bíblia, pois alguns desses idiomas são bastante pequenos e podem estar morrendo.

Cerca de 30 linguagens de sinais têm parte da Escrituras publicada agora. Alguma porção. Ou seja, menos de 10% das linguagens de sinais que existem. Representa cerca de 31 por cento das pessoas surdas.

Apesar de todo o progresso feito em não deixar a comunidade de surdos para trás nos últimos anos, você sente que o COVID coloca tudo isso em risco?

Há algumas coisas que eu gostaria de dizer sobre isso. A primeira é a interessante mudança de todos para o Zoom. A maioria das organizações de surdos usa o Zoom há anos. Então isso era apenas mais do mesmo.

A única coisa significativa que aconteceu para a maioria das comunidades de surdos, quando o COVID apareceu pela primeira vez, foi a falta de acesso à informação. A tradução da Bíblia é um sintoma da falta do acesso à informação. Estávamos recebendo informações de vários países onde os surdos nunca tinham ouvido falar sobre a ordem de ficar em casa, então eles saíram de suas casas como costumavam fazer. Eles chegaram na cidade e perceberam que as tudo estava fechado. O policial os encontrou e começou a gritar com eles por não estarem em casa. Eles não entenderam e foram espancados a ponto de precisarem ser hospitalizados. Infelizmente, essa foi uma história bastante comum entre alguns países.

Usamos essa ilustração como um sintoma da falta de acesso à informação que os surdos costumam ter.

Na maioria das traduções nas quais a DOOR esteve envolvida, fomos capazes de fazer a maior parte da mudança online. Também temos vários centros de tradução. Em algumas das traduções com que trabalhamos, as equipes estão realmente localizadas nos centros. Portanto, quando fechamos e isolamos os centros, eles puderam continuar a fazer seu trabalho, mesmo quando os visitantes tivessem capacidade de entrada limitada.

Qual foi o impacto das restrições de viagem internacional na tradução da língua de sinais?

A consultoria de tradução que fazemos é altamente especializada. A maior parte da consultoria em tradução para ouvintes vem de recursos do país. Se, por exemplo, no Quênia, a BTL estiver fazendo uma tradução com um grupo de ouvintes, há outros consultores no Quênia, então, desde que as pessoas possam viajar dentro do Quênia, a consultoria de tradução pode continuar a acontecer com essas equipes. Mas, como há tão poucos consultores de tradução de linguagem de sinais, normalmente você traz alguém de um país e o leva para outro por duas semanas para fazer a verificação com a equipe. E, obviamente, tudo parou.

Existe uma opção remota para isso?

Isso realmente varia dependendo da comunidade. Vimos algumas situações em que isso funcionou muito bem. O problema relacionado ao fuso horário nem sempre é tão grande, mas ainda funciona muito bem. Também vimos situações em que o acesso à Internet é ruim a ponto de que você nem mesmo seja capaz de ter uma conversa de vídeo consistente com uma equipe.

O impacto de longo prazo que veremos (e Stephen Coertze mencionou isso quando fez seu discurso em vídeo para os líderes da Aliança Global), é que os relacionamentos serão muito mais desafiadores nesse tipo de ambiente virtual. Especialmente nas comunidades do Sul Global. Como um país pode não ter experiência em linguagem de sinais, os estrangeiros precisam vir e ajudar a comunidade a estabelecer um projeto de tradução. Mas isso envolve construir relacionamentos com cidadãos surdos e ouvintes nesses países. No momento, não temos uma boa solução para isso. Para realmente desenvolver um relacionamento de confiança necessário para se envolver em uma parceria profunda requer interação face a face. Esse é um contexto muito difícil agora.

Isso não está nos atingindo agora, mas eu olho para o futuro e acredito que, a menos que as coisas melhorem, isso vai estagnar, especialmente na formação de novos projetos.

Considerando o progresso que foi feito nos últimos anos, você está sentindo alguma frustração em relação a isso?

Acho que a frustração provavelmente está mais nas extremidades das organizações que estão envolvidas no início de novas traduções. Acredito que as traduções que estão acontecendo agora estão passando por alguns contratempos, mas estão descobrindo formas de contornar isso.

O objetivo final da Every Tribe Every Nation (cada tribo e nação) é de ver todas as pessoas terem acesso as Escrituras até 2033. No lado da linguagem de sinais, temos que iniciar uma série de traduções a cada ano para atingir esse objetivo. Isso vai acontecer? É um grande ponto de interrogação, devido aos atrasos que estão acontecendo em termos de início de novos projetos.

O que a recente conclusão da Bíblia em vídeo na linguagem de sinais norte-americana significa, em geral, para a tradução para surdos?

Existem dois projetos separados de tradução de língua de sinais americana que foram concluídos ao mesmo tempo. Um deles foi o projeto de 39 anos da Deaf Missions. Eles são o projeto de tradução de linguagem de sinais mais antigo que existe. Essa foi uma grande conquista, finalmente ter uma linguagem de sinais que tem acesso completo às Escrituras. Como a linguagem de sinais norte-americana é a linguagem de sinais mais reconhecida na internet, muitos surdos em todo o mundo estão aprendendo essa linguagem de sinais. Existem muitos recursos no ASL (Linguagem americana de sinais). Então, houve um impulso para terminar isso, em parte porque serviria como texto-fonte para dar mais informações às comunidades surdas que, de outra forma, estariam completamente isoladas.

A linguagem de sinal, assim como as línguas faladas, tem relacionamento variado entre si. Algumas estão mais próximos da ASL e outras são muito, muito diferentes. A esperança é que isso sirva como um de vários recursos.

O outro projeto que também foi concluído, Deaf Harbor, estava trabalhando em parceria conosco para completar 110 passagens narrativas bíblicas cronológicas. Estas são as passagens-chave que as comunidades surdas identificaram, dizendo: “Se precisarmos das passagens-chave para fazer evangelismo e discipular na plantação de igrejas, essa é uma Bíblia fundamental à qual precisamos acessar, para sermos capazes de fornecer ferramentas às pessoas que estão trabalhando no campo e, em seguida, prossiga para a tradução completa, livro por livro.” Isso também foi concluído no final de setembro. E servirá como um recurso para outras linguagens de sinais que produzirão esse tipo de tradução cronológica da Bíblia.

Principalmente com aquele projeto mais longo, que demorou 39 anos, a tecnologia e os processos são completamente diferentes de quando começaram, certo?

Sim, eles começaram com fitas VHS. Tudo o que você possa imaginar. A edição é totalmente diferente hoje.

Quais são alguns dos avanços tecnológicos? 

Existe tecnologia sendo trabalhada por várias organizações diferentes, com a esperança de que possamos trazer a tradução da língua de sinais ainda mais perto de onde estão as traduções faladas e escritas. Por exemplo, você consegue pesquisar palavras em traduções faladas e escritas. Você não consegue procurar um sinal. Mas parece que no próximo ano, podemos ter essa possibilidade.

E então, recursos como localizar e substituir. Hoje, em uma tradução em linguagem de sinais, se alguém cometer um erro em uma passagem de três minutos que tenha memorizado, terá que voltar e refazer toda a passagem de três minutos novamente. Não é possível recortar aquele sinal e inserir outro da mesma forma que fazemos com um processador de texto. Esse é um dos motivos que faz com que a tradução da linguagem de sinais seja mais longa e cara.

Também existe experimentação acontecendo com avatares nos vídeos em vez de pessoas reais, certo? Qual é o pensamento por trás disso?

Não sei dizer quem traduziu o ESV (versão padrão inglesa), embora eu use muito o ESV. Quer dizer, seus nomes estão na frente da Bíblia e se eu quisesse encontrar, poderia. Mas eu não sei muito sobre suas origens. Comunidades de surdos são pequenas. Quando existe a tradução de sinais, visual, o tradutor está bem ali na tela. E, se de repente eles declararem que não são mais crentes, ou que suas vidas não coincidem com o que estão traduzindo, isso pode fazer com que algumas dessas Escrituras nem sejam utilizáveis na comunidade. Os avatares podem lidar com alguns desses problemas, então não temos que jogar fora passagens inteiras das Escrituras por causa da pessoa envolvida.

O que você gostaria que o restante do movimento de tradução da Bíblia soubesse sobre a tradução da linguagem de sinais?

A falta de acesso a recursos estimados em um contexto de língua falada. É difícil para algumas pessoas perceber o que está envolvido em tentar colocar uma equipe de tradução de linguagem de sinais em funcionamento. Por exemplo, uma das abordagens clássicas dos ouvintes para tradução, é usar o material de origem em um idioma de comunicação mais ampla. Se traduzirmos recursos nesse idioma, a maioria das pessoas que usa a língua falada, conhece uma língua comercial além de sua língua materna. E então eles podem usar esses recursos, aos quais alguns têm bom acesso, para fazer a tradução. Mas se você for para o lado da linguagem de sinais e pensar sobre a questão da leitura que ocorre com a maioria das comunidades de surdos, então todas essas línguas comerciais e todos esses recursos estão meio que fora da janela. Eles não podem ser usados em comunidades de surdos. Então, se você pegar todas as informações que têm de ouvir e ler e jogar tudo pela janela, como vamos treinar essa equipe de tradução? Esse é um problema significativo.

Um outro problema na comunidade surda … houve um impulso para o que chamaríamos de tradução centrada na igreja. Há uma grande diferença entre a situação da igreja nas comunidades de surdos e nas comunidades de ouvintes. Novamente, se as comunidades de língua falada têm todo esse acesso aos recursos, então você tem pessoas que frequentaram o seminário. Mesmo que eles não tenham as Escrituras na linguagem do coração, eles têm todo esse treinamento e experiência. Mas na maioria das comunidades de surdos, menos de 2 por cento das pessoas são crentes. A existência de uma igreja nessas comunidades é mínima. Então, primeiramente, existem alguns impulsos para que a tradução centrada na igreja aconteça nessas comunidades onde não existe uma igreja para surdos. Isso criou muitos desafios.

Os recursos disponíveis agora para a linguagem de sinais podem ser equivalentes ao que estava disponível para a comunidade ouvinte nos anos de 1400 ou 1500. Temos avanços tecnológicos, mas as informações de recursos disponíveis ainda estão muito aquém de onde estão as comunidades de ouvintes. Essa é uma tensão em que vivemos constantemente, para tentar colocar esses recursos em dia.

Como solucionamos isso?

Todos nós diríamos que nenhuma organização pode fazer isso sozinha. Isso é muito claro. E a comunidade surda não pode fazer isso sozinha, separada da comunidade de ouvintes. Será necessário técnicas de aprendizado que funcionaram bem na comunidade de ouvintes, mas que se aplicam à comunidade de surdos, mas também jogar fora coisas que não funcionam, mesmo quando deram certo na comunidade de ouvintes.

Provavelmente, os maiores obstáculos, no momento, na tradução da Bíblia em linguagem de sinais são os consultores de tradução, tecnologia e financiamento. Esses são os três grandes problemas. Se conseguirmos descobrir como resolvê-los, isso poderia acelerar o avanço da tradução da Bíblia.

Há mais alguma coisa que você gostaria de dizer em benefício dos membros da Aliança Global?

Para quaisquer organizações da Aliança Global que começaram a reconhecer que a linguagem de sinais é uma necessidade em suas comunidades; organizações como a SIL’s Global Sign Languages Team ou DOOR com certeza gostaria de ter uma conversa para falar sobre a melhor forma de abordar isso.

Podemos ajudar com perguntas como, quais recursos estão disponíveis no momento? Quais traduções estão acontecendo nas proximidades, onde uma equipe naquele país específico poderia interagir com várias outras equipes, a fim de ter uma noção do que estaria envolvido e como começar algo.

 

Entre em contato com Rob Myers em [email protected].

 

História por: Jim Killam

As organizações da Aliança podem baixar as imagens dessa história.

Reformulando a consultoria: especialistas abordam uma dificuldade antiga

Paul Kimbi // Em 2006, Paul Kimbi conheceu um camaronês em um evento ...

Read more

Reformulando a consultoria : Uma conversa com Bryan Harmelink

Bryan Harmelink // Brian Harmelink é Diretor de Colaboração da Alia...

Read more

Um Ministério de Reconciliação

Passado recente da África do Sul oferece orientação para o moviment...

Read more